Competências

O QUE SÃO EMPREGOS VERDES E COMPETÊNCIAS VERDES?

É encorajador ver um aumento das iniciativas e dos projetos em torno dos empregos verdes e um interesse aparentemente considerável por parte dos candidatos a emprego e dos jovens que procuram emprego nos empregos verdes.

No entanto, um problema que prevalece é o de definir que empregos são esses?

Chris Webb, um profissional de carreiras no ensino superior do Reino Unido, publica semanalmente um boletim informativo (The Week in Careers), que fornece um “resumo de todas as notícias, opiniões e desenvolvimentos no setor #Careers que os profissionais ocupados precisam de saber!”

A semana passada foi a Semana das Carreiras Verdes no Reino Unido, “dando à comunidade das carreiras uma oportunidade de refletir sobre um tópico que está a ganhar cada vez mais destaque no nosso trabalho com clientes, empregadores e outras partes interessadas”. E o boletim informativo incluía um blogue convidado de Anna Sidoti sobre Empregos Verdes, “o que pensamos/sabemos que são e porque é que isso é importante!”

Anna abordou o problema da definição de Empregos Verdes:

A definição de um emprego verde varia. Isso é parte do problema – não sabemos exatamente como será este mercado de trabalho porque depende da definição de emprego verde e não existe (ainda) um consenso internacional. Os empregos verdes podem ser definidos por:

  • Indústria envolvida na transição climática (por exemplo, infraestruturas energéticas)
  • Profissões diretamente envolvidas na transição climática (por exemplo, técnico de turbinas eólicas);
  • Competências necessárias para a transição climática, como a conceção sustentável, a eficiência energética ou a sensibilização ambiental (por exemplo, trabalhadores envolvidos no desenvolvimento, produção, armazenamento, transmissão e distribuição de energia produzida a partir de fontes renováveis, com emissões líquidas nulas ou “fornecimento de energia limpa”).  

A OCDE recomendou a existência de um consenso internacional sobre esta matéria. O mais próximo que consigo encontrar é a definição alargada de emprego verde da Organização Internacional do Trabalho (OIT): os “empregos verdes” são aqueles que envolvem atividades como a adaptação da comunidade às alterações climáticas e que também se referem a empregos dignos. Veja o diagrama abaixo – os empregos verdes são os que se encontram na área às riscas do gráfico”.

Então, o que é que sabemos?

Bem, a Jobs and Skills Australia publicou um relatório a 3 de outubro, intitulado The Clean Energy Generation: workforce needs for a net zero economy. Os empregos verdes críticos identificados neste relatório são os de engenharia (todas as áreas), os de eletricidade, como electricistas, telecomunicações e técnicos de ar condicionado e refrigeração. Precisamos de engenheiros, embora não tanto como precisamos de cientistas ambientais. O relatório também sublinha a necessidade de carreiras menos conhecidas, como montadores mecânicos, pilotos marítimos e cientistas alimentares. Prevê-se um aumento de 40% destas funções até 2050, principalmente nas zonas regionais.

O relatório da taskforce UK Green Jobs do Reino Unido prevê um crescimento significativo do PIB e 300 000 novos postos de trabalho até 2050 ligados à tecnologia verde. As funções críticas identificadas no Reino Unido são semelhantes às da Austrália. Este relatório identifica outros empregos verdes necessários para impulsionar a transição energética – empregos na cadeia de abastecimento da construção (projetistas, arquitetos, engenheiros, instaladores de bombas de calor), empregos no setor do hidrogénio (instaladores de tubagens) e empregos no setor automóvel (mecânicos de veículos elétricos).

O problema é que não se trata realmente de uma mudança de empregos não ecológicos para empregos ecológicos, mas sim que as competências estão a mudar e que os empregos envolvem cada vez mais aquilo a que se pode chamar competências ecológicas.

A Classificação Europeia de Profissões, Aptidões e Competências (ESCO) desenvolveu a taxonomia europeia de aptidões e profissões, fornecendo uma linguagem comum sobre profissões e competências, bem como as relações entre elas, especificando quais as competências essenciais ou opcionais para uma determinada profissão. Em 2022, lançaram a versão atualizada da taxonomia para apoiar a transição ecológica do mercado de trabalho.

“Uma vez que os trabalhadores precisam de um conjunto de competências que possa responder à necessidade de reduzir as emissões nas práticas de trabalho”, afirmam, “o pilar Aptidões/Competências foi enriquecido com a informação adicional ao nível das competências para distinguir as competências verdes e os conceitos de conhecimento. Isto significa que, em todo o conjunto de dados de competências da ESCO, algumas podem agora ser filtradas como verdes. A ESCO também fornece informações como o seu tipo de reutilização e estão ligadas a profissões. Todos os conceitos estão traduzidos em 27 línguas e estão disponíveis gratuitamente em diferentes formatos.”

Um total de 571 conceitos de competências e conhecimentos da ESCO são rotulados como verdes. Isto inclui: 381 competências, 185 conceitos de conhecimento e 5 competências transversais. A lista completa de conceitos verdes está disponível no portal ESCO. Os conceitos verdes visam abranger as atividades do mercado de trabalho europeu. Como tal, as competências abrangem diferentes setores económicos, desde a produção e distribuição de energia aos processos de fabrico, da gestão de resíduos e normas de poluição à auditoria e avaliação de impacto, da investigação à educação.

O trabalho da ESCO é valioso, especialmente ao mostrar que as competências verdes são necessárias em muitos empregos e profissões e não apenas nos óbvios. No entanto, permanece o desafio de como utilizar o sistema de classificação da ESCO. A ESCO publicou recentemente um novo relatório, “Jobs for the Green Transition, Definitions, Classifications and emerging trends” (Empregos para a transição ecológica, definições, classificações e tendências emergentes), que pretende abordar as questões da definição de empregos e competências ecológicos.

O relatório apresenta uma nova taxonomia para os empregos verdes baseada em quatro pilares: contributos, resultados, processos e qualidade do emprego. Esta taxonomia visa fornecer um quadro prático para avaliar e comparar estudos de caso, apoiando a elaboração de políticas neste domínio. Além disso, o relatório destaca estratégias e políticas recentes, tanto a nível da UE como a nível nacional, centradas no desenvolvimento de competências para a transição ecológica e na abordagem dos aspetos sociais para proteger os grupos vulneráveis. Sugere que uma abordagem mais integrada, que considere o impacto ambiental dos processos de trabalho, dos resultados e dos fatores de produção da cadeia de abastecimento, é essencial para promover a criação de empregos verdes e, ao mesmo tempo, eliminar gradualmente os empregos castanhos.

No projeto Erasmus+ Career Pathways, no qual Pontydysgu é um parceiro, estamos a tentar reunir diferentes fontes de dados, desenvolvendo um dashboard com informação trimestral sobre o mercado de trabalho para três regiões diferentes, percursos de educação e formação na indústria transformadora, no setor do turismo e hotelaria e nos têxteis. O painel de controlo fornecerá também pormenores sobre as oportunidades de formação relevantes e, se for caso disso, identificará as competências verdes. Espera-se que possamos desenvolver melhores ligações entre a procura de competências e as oportunidades de educação e formação, tanto para os que procuram educação e formação inicial e contínua, como para os que procuram novos empregos e educação e formação a nível regional.

Não só a Transição Verde, mas também as rápidas mudanças nos mercados de trabalho através da introdução da Inteligência Artificial, exigem uma abordagem mais rápida e integrada. Esperamos que o Projeto “Career Pathways” possa contribuir para este desenvolvimento.

O QUE SÃO EMPREGOS VERDES E COMPETÊNCIAS VERDES? Read More »

GreenComp – O Quadro Europeu de Competências em matéria de Sustentabilidade

Image: GreenComp Cover
© EC2022

A União Europeia publicou a GreenComp:
O Quadro Europeu de Competências em Sustentabilidade.

O desenvolvimento do quadro de competências é uma das ações políticas definidas no Acordo Verde Europeu (ou Pacto Ecológico Europeu) como catalisador para promover a aprendizagem sobre a sustentabilidade ambiental na União Europeia. O GreenComp identifica um conjunto de competências de sustentabilidade para alimentar os programas educativos para ajudar os alunos a desenvolver conhecimentos, competências e atitudes que promovam formas de pensar, planear e agir com empatia, responsabilidade e cuidado para com o nosso planeta e para com a saúde pública.

Este trabalho começou com uma revisão bibliográfica e baseou-se em várias consultas com peritos e partes interessadas que trabalham na área da educação para a sustentabilidade e da aprendizagem ao longo da vida.

Referem que o relatório forma um “quadro de aprendizagem para a sustentabilidade ambiental que pode ser aplicado em qualquer contexto de aprendizagem”. O relatório partilha definições de trabalho de sustentabilidade e aprendizagem para a sustentabilidade ambiental que constituem a base para o quadro de construção de consensos e para colmatar o fosso entre peritos e outros intervenientes”.

O GreenComp compreende quatro áreas de competência inter-relacionadas: ‘encarnar valores de sustentabilidade’, ‘abraçar a complexidade da sustentabilidade‘, ‘prever futuros sustentáveis‘ e ‘agir em prol da sustentabilidade‘. Cada área compreende três competências que estão interligadas e são igualmente importantes. O GreenComp foi concebido para ser uma referência não prescritiva para esquemas de aprendizagem que promovam a sustentabilidade como uma competência.

GreenComp – O Quadro Europeu de Competências em matéria de Sustentabilidade Read More »

Solverwp- WordPress Theme and Plugin